71

ACOMASUL SE REUNIU COM A SEMADUR NESTA SEGUNDA-FEIRA

Nesta segunda-feira, 01/02, a Acomasul se reuniu com o secretário municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano, Luís Eduardo Costa.

Estavam presentes com o secretário, o presidente Dr. Diego Canzi; o vice- presidente Gustavo Shiota; e o ex-presidente Adão Castilho.

Foi iniciado junto a prefeitura um diálogo para uma possível solução da demora de emissão de habite-se, aperfeiçoamento do Alvará Imediato, e um canal direto para solucionar problemas dos associados.

“Maior desafio vai ser com que órgãos governamentais reajustem as tabelas e avaliações dos imóveis”, destaca presidente da Acomasul

“Maior desafio vai ser com que órgãos governamentais reajustem as tabelas e avaliações dos imóveis”, destaca presidente da Acomasul

O presidente da Acomasul, Dr. Diego Canzi, esteve nesta segunda-feira na rádio CBN em Campo Grande onde concedeu entrevista.

Entre os assuntos, o atual momento do setor da construção civil; a falta de materiais; e o trabalho da Acomasul. Ouça a entrevista na íntegra clicando no link

https://www.jpnews.com.br/campo-grande/nosso-maior-desafio-vai-ser-com-que-orgaos-governamentais-re/146582/

CONSTRUÇÃO CIVIL PROJETA GERAÇÃO DE 200 MIL EMPREGOS

CONSTRUÇÃO CIVIL PROJETA GERAÇÃO DE 200 MIL EMPREGOS

O setor da construção civil foi o que mais abriu vagas de janeiro de 2020 a novembro de 2020. Foram 157.881 empregos com carteira assinada no Brasil, um aumento de 34,5% em relação ao mesmo período de 2019.

Segundo a CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção) o ritmo de contratações deve melhorar ainda mais em 2021. A previsão é de gerar cerca de 200 mil empregos diretos.

A geração de empregos no setor da construção civil reflete o momento econômico do país. O real está desvalorizado, a taxa de juros está no menor patamar da história, e existem incertezas econômicas. Este cenário leva investidores (inclusive estrangeiros) a ver com bons olhos um antigo hábito nacional: aplicar dinheiro em imóveis.

Estima-se que a venda de imóveis cresceu cerca de 30% em Mato Grosso do Sul no ano 2020. Como consequência do mercado aquecido, houve valorização dos imóveis. O índice FipeZap revela que os imóveis residenciais tiveram valorização de 5,91% em Campo Grande no ano passado. A capital teve o valor médio do metro quadrado comercializado por R$ 4.376,00.

Assessoria de Comunicação da Acomasul