116

MUDANÇAS NO TETO DO VALOR DOS IMÓVEIS DO PROGRAMA CASA VERDE E AMARELA

Depois de cortar os juros do financiamento imobiliário, o Conselho Curador do FGTS aprovou o aumento no teto do valor dos imóveis comercializados no programa Casa Verde e Amarela.

O reajuste varia de acordo o tamanho da população no município:

Municípios com população entre 20 e 50 mil habitantes terão aumento de 10%;
Municípios com população entre 50 e 100 mil habitantes terão aumento de 15%;
Capitais e municípios das regiões metropolitanas terão aumento de 10%, é o caso de Campo Grande.
Os municípios com população menor que 20 mil habitantes não terão reajuste.

De acordo com o Ministério do Desenvolvimento Regional, as medidas entram em vigor ainda este ano, em cerca de 60 dias.

A última vez que aconteceu alteração ampla nos tetos foi em fevereiro de 2017. A decisão de aumentar os tetos atende a reivindicação da indústria imobiliária que estava cancelando empreendimentos dentro do Casa Verde e Amarela por causa do aumento dos custos dos materiais.

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO DA ACOMASUL

120

FGTS CORTA JUROS PARA GRUPO 3 DO CASA VERDE E AMARELA E PRÓ-COTISTA

O Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço aprovou nesta segunda-feira, 13/09, a redução temporária das taxas de juros nos financiamentos do programa Casa Verde e Amarela para famílias com renda mensal entre R$ 4 mil e R$ 7 mil (famílias enquadradas no grupo 3). A queda será de 0,5 ponto percentual e valerá até 31 de dezembro de 2022.

A redução temporária resultará em uma taxa final de 7,66% ao ano aos mutuários desse grupo. Se o mutuário for cotista do fundo, há redução de mais 0,5 ponto percentual, resultando em taxa de 7,16%.

O outro corte aprovado pelo conselho curador foi na linha de financiamento Pró-Cotista, modalidade do FGTS para cotistas adquirem imóveis de qualquer valor, fora do programa habitacional. Nesse caso, o corte foi de 8,66% ao ano para 8,16% ao ano. Nesse caso, a redução ficará em vigor até 31 de março de 2022.

A medida busca tornar mais atrativos os empréstimos concedidos pelo FGTS em comparação com as linhas praticadas pelos bancos privados, além de dar mais atratividade do produto e fomentar mais lançamentos.

103

INFLAÇÃO DE AGOSTO NA CONSTRUÇÃO CIVIL É A MENOR DE 2021

A inflação da Construção Civil foi de 0,99% em agosto. Em julho o índice tinha ficado em 1,89%. A inflação é medida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O índice de agosto é a menor variação de 2021. Mesmo assim, o acumulado neste ano é de 14,61%. O acumulado nos últimos 12 meses é de 22,74%.

Com o percentual de inflação em agosto, o custo nacional da construção por metro quadrado foi de R$ 1.463,11, sendo R$ 866,89 relativos aos materiais e R$ 596,22 à mão de obra.

Já nos custos regionais, por metro quadrado, a ordem ficou assim:
Região Sul = R$ 1.547,75
Região Sudeste = R$ 1.526,39
Região Centro-Oeste = R$ 1.424,02.
Região Norte = R$ 1.413,47
Regiãoo Nordeste = R$ 1.378,49

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO

WhatsApp Image 2021-09-09 at 15.44.52 (1)

MAIS CONQUISTAS PARA O ASSOCIADO

O presidente da Acomasul, Dr. Diego Canzi Dalastra, se reuniu nesta quinta-feira, 09 de setembro, em Campo Grande com a gerência executiva e coordenadoria da GIHAB da CEF.

A GIHAB tem a missão de receber, gerenciar e analisar os projetos de construção de novas unidades habitacionais que receberão aportes financeiros para realização das obras, assim como realizar estudo de viabilidade técnica e financeira do empreendimento.

“A reunião foi uma apresentação institucional entre a Acomasul e a nova gerência da GIHAB, fomos muito bem recebidos pelo gerente-executivo Alexandre e pelo coordenador Cristiano”, afirma o presidente da Acomasul, Dr. Diego Canzi.

O presidente também colocou as demandas dos construtores e conseguiu um canal de atendimento exclusivo para os associados junto à gerência da GIHAB. “Além disso, será realizado um Workshop sobre CONRES (Cadastro Informativo de Pessoas Físicas e Jurídicas com Relacionamento com a Caixa) e avaliação de imóveis. Também será disponibilizado o material sobre os seguros para que possamos saber exatamente como funciona e como utilizá-lo”, explica Dr. Diego.

Em breve, divulgaremos a data do Workshop e os detalhes sobre o conteúdo de seguros. Estas são mais conquistas da Acomasul para agilizar e facilitar o trabalho do nosso associado.

114

ELEVAÇÃO DO TETO E SUBSÍDIOS DO CASA VERDE E AMARELA VAI AQUECER AINDA MAIS O MERCADO IMOBILIÁRIO

O governo federal já tem uma proposta de elevação do teto de preço e dos subsídios do programa Casa Verde e Amarela. A proposta depende do aval do Conselho Curador do FGTS, que é o responsável pela gestão do Fundo de Garantia que abastece o programa de habitação popular.

A proposta do governo federal tomou como base a reclamação de entidades ligadas à construção civil, entre elas, a FENAPC (Federação Nacional dos Pequenos Construtores), da qual faz parte a ACOMASUL (Associação dos Construtores de Mato Grosso do Sul). O principal argumento é o aumento de preços dos materiais de construção.

“Somente em 2021 tivemos um aumento de 15% nos materiais. Até mesmo o prazo da indústria para entregar os produtos saiu de 30 dias para 90 dias, e dependendo do produto, 120 dias. O aço, por exemplo, subiu mais de 100%, assim como o piso cerâmico, que mais que dobrou de preço”, aponta o presidente da ACOMASUL, Dr. Diego Canzi. A ACOMASUL responde por cerca de 50% dos imóveis comercializados no estado pelo programa Casa Verde e Amarela, e a elevação do teto e subsídios deve aquecer ainda mais o mercado imobiliário, gerando emprego e renda.

A expectativa é que os reajustes do teto e subsídios do Casa Verde e Amarela sejam implementados em um mês. Em nível nacional, as vendas do programa de habitação popular representaram no segundo trimestre deste ano 49% das vendas totais do mercado imobiliário. No mesmo comparativo, as vendas aumentaram 2,1% e os lançamentos 29,6%.

ACOMASUL PARTICIPA DO LANÇAMENTO DO ALVARÁ IMEDIATO, MAIS TECNOLOGIA MENOS BUROCRACIA

O presidente da Acomasul, Dr. Diego Canzi Dalastra, participou nesta segunda-feira, 23/08, do lançamento da implantação do sistema Alvará Imediato. O portal foi desenvolvido em parceria pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Gestão Urbana (Semadur) e a Agência Municipal de Tecnologia da Informação e Inovação (Agetec). O lançamento foi no Centro de Educação Ambiental no bairro Carandá Bosque.

O novo sistema para aprovação digital de projetos arquitetônico é voltado aos empreendimentos de baixo impacto como construções unirresidencial, multirresidencial de até cinco unidades e projetos de construção de edificações destinadas às atividades de comércio com área de até 500m². Também não será mais necessário o agendamento para a retirada do Alvará Imediato, já que a guia será gerada no sistema e o Alvará Imediato estará disponível para impressão no site.

O prefeito de Campo Grande Marquinhos Trad também esteve no evento e disse que a máquina pública precisa de modernizar para atender melhor as necessidades da população na oferta dos serviços. “O nosso objetivo é que o Portal do Alvará Imediato agilize o trabalho dos profissionais da construção civil para que o setor seja ainda mais produtivo”, disse o prefeito.

O secretário municipal de Meio Ambiente e Gestão Urbana, Luis Eduardo Costa, disse que desde 2017 a prefeitura tem avançado na diminuição do tempo e análise dos projetos arquitetônicos. “Antes as análises levavam entre 30 a 40 dias, no início da atual gestão reduzimos para cerca de 15 dias e hoje já podemos firmar que entre 24 e 48h o Alvará de Construção poderá ser emitido. E estamos trabalhando ainda mais para reduzir esse tempo para 15 minutos”, afirmou o secretário.

O Alvará Imediato é uma das bandeiras que a Acomasul sempre defendeu, e desde que assumiu a presidência da Acomasul no começo deste ano, o presidente Dr. Diego Canzi e toda diretoria continuaram com o diálogo com a prefeitura para o aperfeiçoamento do Alvará Imediato, inclusive abastecendo a Semadur com as demandas e os gargalos enfrentados pelo nosso associado. “Queremos parabenizar e agradecer o prefeito Marquinhos Trad e o secretário Luis Eduardo Costa que não mediram esforços para nos atender e assim contribuir com toda a cadeia da construção civil”, finalizou o presidente da Acomasul.

110

FGTS VAI DISTRIBUIR AOS TRABALHADORES 96% DO LUCRO DE 2020

Nessa terça-feira, dia 17 de agosto, o Conselho Curador do FGTS deliberou sobre a distribuição do resultado do Fundo de Garantia no ano de 2020. No ano passado, o FGTS teve lucro de R$ 8,467 bilhões. A principal fonte de receitas do FGTS são os juros cobrados dos empréstimos e financiamentos, principalmente para a habitação. Do lado das despesas, o principal item são os juros que remuneram as contas vinculadas dos trabalhadores.

Este ano, o Conselho Curador decidiu distribuir R$ 8,129 bilhões, o que representa em torno de 96% do resultado de 2020. Pesou a favor da decisão a intenção de proporcionar aos cotistas um ganho real acima da inflação.

A distribuição do resultado vai beneficiar um total de 191 milhões de contas que tinham saldo positivo ao final de 2020. Receberão o resultado tanto as cerca de 90 milhões de contas ativas, que recebem depósitos mensais, quanto as mais de 100 milhões de contas inativas.

A distribuição não significa que o titular da conta poderá sacar imediatamente o valor distribuído. Ele vai ser repassado ao trabalhador na forma de um crédito na sua conta vinculada, o que será feito até o final de agosto. O saque dos valores disponíveis no FGTS continua sendo possível nas várias modalidades existentes como demissão sem justa causa, aposentadoria, aquisição da casa própria, saque aniversário, etc…

Em 2020, o FGTS aplicou R$ 60,8 bilhões em operações de crédito para a habitação, R$ 1,4 bilhão em saneamento e R$ 843 milhões em infraestrutura. O efeito desses empréstimos e financiamentos na geração de empregos foi estimado em mais de 1,7 milhão de postos de trabalho. Na habitação, mais de 420 mil famílias foram atendidas com recursos do FGTS.

fonte: DIEESE
ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO DA ACOMASUL

109

ACOMASUL PARTICIPA DE RETOMADA DE DISCUSSÕES SOBRE TAXAS CARTORÁRIAS

O presidente da Acomasul, Dr. Diego Canzi, participou nesta segunda-feira, 16/08, de uma reunião na FIEMS (Federação das Indústrias) que voltou a discutir as taxas cartorárias em Mato Grosso do Sul.

O encontrou reuniu várias autoridades da cadeia da construção civil. Mato Grosso do Sul tem uma das taxas cartorárias mais altas do Brasil. Em razão disso, muitos procuram fazer, por exemplo, a escritura em outros estados.

A Acomasul está atenta a este gargalo para o benefício dos nossos associados. Em breve, você terá mais informações sobre o assunto.

WhatsApp Image 2021-08-16 at 16.21.58

PROJETO PREVÊ COTA DE 5% DOS POSTOS DE TRABALHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA MULHERES

A Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei PL 5358/20, que obriga empresas de construção civil a ter no mínimo 5% dos postos de trabalho preenchidos com mulheres. Isto significa que a cota seja cumprida em cada estabelecimento, empreitada ou obra em execução.

Antes de ser votado em plenário o projeto será analisado em caráter conclusivo pelas comissões de Trabalho; de Administração e Serviço Público; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Muitos empresários que já contratam mulheres para os canteiros de obras estão muito satisfeitos com o rendimento laboral feminino, porque quase não existe retrabalho. As mulheres atuam principalmente em serviços de acabamento, como colocação de pisos e azulejos,e pintura.

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO DA ACOMASUL